Telefone para contato:

(54) 98126-4699

Diagnóstico do Câncer de Pele Não Melanoma
Dez06

Diagnóstico do Câncer de Pele Não Melanoma

Os médicos solicitam diversos exames para diagnosticar o câncer de pele não melanoma e também para estadiar a doença. Alguns exames ajudam a decidir qual tipo de tratamento será mais eficaz. Para a maioria dos tipos de câncer de pele, a biópsia é a única maneira de se obter um diagnóstico definitivo do câncer. Histórico Clínico e Exame Físico Se uma pessoa apresenta sinais de câncer de pele não melanoma, o médico analisará o histórico clínico e familiar completo do paciente, observando os sintomas e fatores de risco. Para diagnosticar o câncer de pele não melanoma e determinar o grau de comprometimento da doença poderão ser solicitados alguns exames. Durante o exame físico, o médico observará o tamanho, forma, cor e textura das lesões em questão, e se há sangramento ou descamação. O médico também apalpará os gânglios linfáticos da virilha, axilas, pescoço e próximos da área da lesão. O aumento dos gânglios linfáticos pode sugerir que o câncer de pele não melanoma se disseminou para esse local. Junto com o exame, alguns dermatologistas usam uma técnica chamada dermatoscopia para avaliar manchas em pele mais claras. O médico utiliza um dermatoscópio, uma lente de aumento especial com fonte de luz própria para observar a pele. Às vezes uma fina camada de óleo é usada com este instrumento. Uma imagem digital ou fotográfica do local pode ser tirada.  <–...

Leia Mais
Biópsia para o Diagnóstico do Câncer de Pele Não Melanoma
Dez06

Biópsia para o Diagnóstico do Câncer de Pele Não Melanoma

Biópsia é a remoção de uma pequena quantidade de tecido utilizando técnicas que preservam a lesão inteira de modo que a espessura potencial do câncer e sua margem possam ser examinadas com cuidado, o tecido removido então é enviado para exame anatomopatológico. Existem diferentes tipos de biópsias que podem ser utilizados para diagnosticar um câncer de pele, e a escolha dependerá do tamanho da área afetada e sua localização no corpo. As biópsias da pele são geralmente feitas com anestésico local, que é injetado na região da lesão, com uma agulha fina. O paciente provavelmente sentirá apenas uma pequena picada e um pouco de ardor quando o medicamento é injetado, mas durante o procedimento não deve sentir nenhuma dor. Biópsia por Shaving Neste tipo de biópsia, o médico anestesia a área, e em seguida, raspa as camadas superiores da pele com uma lâmina cirúrgica. Biópsia Punch Na biópsia punch o médico remove uma amostra mais profunda da pele, utilizando um cilindro cortante, que atravessa várias camadas da pele, incluindo a derme, epiderme, e a parte superior do tecido celular subcutâneo. O procedimento é realizado com anestesia e, geralmente, por dermatologistas. Biópsias Incisional e Excisional Para examinar um tumor localizado nas camadas mais profundas da pele, o médico pode utilizar a biópsia incisional ou excisional. Após a administração de um anestésico local, com auxílio de um bisturi, o médico remove uma camada da pele que é enviada para exames. A biópsia incisional remove apenas uma porção do tumor. Uma biópsia excisional remove todo o tumor, e é geralmente a técnica preferida quando existe suspeita de melanoma. Amostras de Biópsia Todas as amostras de biópsias de pele são enviadas para análise por um patologista, que é o médico especializado no exame anatomopatológico de células, tecidos e órgãos para diagnosticar a doença. Se células cancerosas estão presentes, o patologista determinará o tipo de câncer de pele. Biópsia do Linfonodo Sentinela A biópsia do linfonodo sentinela é um procedimento cirúrgico utilizado para determinar se as células cancerosas se espalharam para os linfonodos regionais (gânglios linfáticos próximos ao local do câncer). Para encontrar o gânglio linfático é injetado na área do tumor um radiofármaco, após 1h, o médico realiza medidas próximo às cadeias linfáticas com um detector de radiação para identificar a existência do primeiro linfonodo comprometido. O cirurgião faz uma pequena incisão na área identificada e remove o linfonodo que ficou radioativo, para depois ser enviado à equipe de patologia para análise. Punção Aspirativa por Agulha Fina A punção aspirativa por agulha fina (PAAF) o médico utiliza uma agulha muito fina, para aspirar algumas células do tumor, que são posteriormente enviadas para análise. A...

Leia Mais
Estadiamento do Câncer de Pele não Melanoma
Dez06

Estadiamento do Câncer de Pele não Melanoma

O estadiamento é uma forma de descrever um câncer, sua localização, se e para onde disseminou, e se está afetando as funções de outros órgãos no corpo. Ter conhecimento do estágio ajuda o médico a decidir o tipo de tratamento a ser realizado e o prognóstico do paciente. Para determinar o estágio de um câncer de pele não melanoma, a lesão e o tecido normal ao redor precisam ser removidos cirurgicamente e enviados para um estudo anatomopatológico. O sistema de estadiamento utilizado para melanoma é o sistema TNM da American Joint Commission on Cancer. O sistema TNM utiliza três critérios para avaliar o estágio do câncer: o próprio tumor, os linfonodos regionais ao redor do tumor, e se o tumor se espalhou para outras partes do corpo. TNM é abreviatura de tumor (T), linfonodo (N) e metástase (M): T – Qual é o tamanho do tumor primário e onde está localizado? N – O tumor disseminou para os linfonodos regionais ou há evidência de metástases em trânsito? M – Existe presença de metástase para outras partes do corpo? Tumor – Pelo sistema TNM, o T acompanhado de um número (0 a 4) é usado para descrever o câncer de pele não melanoma primário, particularmente o seu tamanho. Pode também ser atribuída uma letra minúscula “a” ou “b” com base na ulceração e taxa mitótica. Linfonodo – O N no sistema TNM representa os linfonodos regionais, e também é atribuído a ele um número (0 a 3), que indica se as células do câncer de pele não melanoma disseminaram para os gânglios linfáticos. Pode também ser atribuída uma letra minúscula “a”, “b”, ou “c”, conforme descrito abaixo. Metástase – O M no sistema TNM indica se o câncer de pele não melanoma se espalhou para outras partes do corpo. No melanoma, as metástases podem ser encontradas na pele, no tecido subcutâneo ou em outros órgãos, como pulmão, fígado ou cérebro. Classificação tumoral Categorias T TX – O tumor não pode ser avaliado. T0 – Não há evidência de câncer. Tis – Melanoma in situ, o que significa dizer que as células cancerígenas são encontradas em apenas na camada exterior da pele (epiderme). T1 – O tumor primário é de até 2,0 cm de diâmetro e tem 1 das características abaixo. T2 – O tumor primário é de ate 2,0 cm de diâmetro e tem 2 ou mais características abaixo. T3 – O tumor invade os ossos faciais, como mandíbula ou ao redor dos olhos. T4 – O tumor invade outros ossos do corpo ou da base do crânio. Características para distinguir o risco de alguns tumores T1 e T2 são: O tumor primário é...

Leia Mais