Conduta Expectante
Out24

Conduta Expectante

Como o câncer de próstata geralmente cresce muito lentamente, alguns homens, especialmente os mais velhos ou os que têm outros problemas graves de saúde, muitas vezes não iniciam imediatamente o tratamento contra o câncer de próstata. Nesses casos, os médicos recomendam abordagens conhecidas como conduta expectante, observação vigilante ou vigilância ativa. O paciente é acompanhado de perto, fazendo exames regulares de PSA, exames físicos incluindo toque retal e ultrassonografias a cada 3 ou 6meses. As biópsias poderão ser realizadas anualmente. Mas, se a qualquer momento for constatado o crescimento do tumor ou alguma alteração com base no aumento do PSA, a clínica da doença, o exame de toque retal, exames de imagem como a ultrassonografia, ou resultados da biópsia, o tratamento é iniciado....

Leia Mais
Tratamento Cirúrgico do Câncer de Próstata
Out24

Tratamento Cirúrgico do Câncer de Próstata

A prostatectomia radical é a cirurgia que visa a cura do câncer de próstata. Ela é realizada na maioria das vezes se o tumor está contido da glândula da próstata. Nesta cirurgia é feita a retirada de toda a próstata, além de alguns dos tecidos à sua volta, incluindo as vesículas seminais. Prostatectomia Radical Retropúbica Esta é a cirurgia realizada pela maioria dos cirurgiões. Este procedimento é feito com anestesia geral, anestesia raquidiana ou peridural com sedação. Neste procedimento, o cirurgião faz uma incisão na pele na parte inferior do abdome, do umbigo até o osso púbico. Se, existe uma chance razoável, baseado nos resultados do PSA, toque retal e da biópsia, o cirurgião remove os linfonodos localizados em torno da próstata. O cirurgião prestará especial atenção para os dois feixes de nervos minúsculos que correm a cada lado da próstata, e que controlam as ereções. Mas, se o tumor se desenvolveu dentro ou muito perto desses nervos, o cirurgião terá que removê-los. Se ambos são removidos, o paciente se torna impotente, o que significa que vai precisar de ajuda (como medicamentos ou bombas) para ter ereções. Caso seja necessária a remoção desses nervos em apenas um dos lados, ainda haverá uma pequena chance de o paciente ter ereção. Se os nervos não foram afetados pela doença serão poupados, e dentro de alguns meses a um ano após a cirurgia o paciente volta a ter ereção. Prostatectomia Radical Perineal Nesta cirurgia, o cirurgião faz a incisão na pele entre o ânus e o escroto (períneo). Esta abordagem é usada com menos frequência, porque não há como poupar os nervos, e os gânglios linfáticos não podem ser removidos. No fim do ato cirúrgico um cateter é inserido no pênis para ajudar a drenar a bexiga. O cateter geralmente permanece no local por 1 a 2 semanas, e após a remoção do mesmo o paciente volta a urinar normalmente. Prostatectomia Radical por Laparoscopia Ambas as abordagens cirúrgicas acima utilizam a técnica aberta, nas quais o cirurgião faz uma incisão para remover a próstata. Na prostatectomia radical por laparoscopia, se utilizam várias incisões pequenas, por onde são inseridos instrumentos especiais para remover a próstata. Um dos instrumentos tem uma pequena câmara de vídeo na extremidade, que permite a visualização dentro do abdome. A prostatectomia por laparoscopia tem algumas vantagens sobre a prostatectomia radical aberta, incluindo menor perda de sangue e dor, menor tempo de internação, e menor tempo de recuperação, embora seja necessário o uso do cateter. Riscos Cirúrgicos e Efeitos Colaterais da Prostatectomia Radical Qualquer procedimento cirúrgico traz consigo riscos e possíveis efeitos colaterais: Riscos Cirúrgicos – Os riscos em qualquer tipo de...

Leia Mais
Tratamento Quimioterápico do Câncer de Próstata
Out24

Tratamento Quimioterápico do Câncer de Próstata

Quimioterapia é o tratamento com medicamentos para destruir o câncer, administrados por via intravenosa (injeção numa veia) ou por via oral. A quimioterapia sistêmica é administrada na corrente sanguínea para poder atingir as células cancerígenas em todo o corpo. A quimioterapia combinada com docetaxel e a prednisona tem mostrado que reduz os sintomas e aumenta a expectativa de vida em cerca de 3 meses em pacientes com câncer de próstata avançado. A maioria dos médicos considera ser esta a opção de quimioterapia de primeira linha em homens cujo câncer não está mais respondendo aos tratamentos hormonais. Recentemente, uma nova droga chamada cabazitaxel foi aprovada para uso em homens com câncer de próstata avançado. Alguns dos outros medicamentos de quimioterapia utilizados para tratar o câncer de próstata incluem: Mitoxantrona. Estramustina. Doxorrubicina. Etoposido. Vinblastina. Paclitaxel. Carboplatina. Vinorelbina. Como a terapia hormonal, a quimioterapia é susceptível de alcançar a cura da doença podendo retardar o crescimento do câncer e reduzir os sintomas, resultando em uma melhor qualidade de vida. Efeitos Colaterais As drogas quimioterápicas por ser uma terapia sistémica, atuam nas células que se dividem rapidamente, por isso são utilizadas contra as células cancerosas. Porém, simultaneamente outras células no corpo, tais como as da medula óssea, o revestimento da boca e dos intestinos, e os folículos pilosos, também se dividem rapidamente. Estas células também são afetadas pela quimioterapia, levando a efeitos colaterais. Os efeitos colaterais da quimioterapia dependem do tipo e da dose das drogas administradas e do período de tempo do tratamento. Estes efeitos colaterais podem incluir: Alopecia (perda de cabelo). Inflamações na boca. Perda de apetite. Náuseas e vômitos. Infecções. Hemorragias. Fadiga. Os efeitos colaterais da quimioterapia são geralmente de curto prazo e tendem a desaparecer com o término do tratamento. Além disso, existem medicamentos que são utilizados durante o tratamento para prevenir ou reduzir os efeitos colaterais provocados pela terapia....

Leia Mais
Tratamento Radioterápico do Câncer de Próstata
Out24

Tratamento Radioterápico do Câncer de Próstata

O tratamento radioterápico utiliza radiações ionizantes para destruir ou inibir o crescimento das células cancerosas que formam um tumor. Existem vários tipos de radiação, porém as mais utilizadas são as eletromagnéticas (RaiosX ou Raios gama) e os elétrons (disponíveis em aceleradores lineares de alta energia). A radioterapia pode ser realizada tanto com feixes de radiação externos, ou com irradiação interna, denominada braquiterapia. Radioterapia A radioterapia é focada sobre a glândula da próstata a partir de uma fonte de radiação externa. As diferentes técnicas de radioterapia são: Radioterapia Conformacional 3D – Utiliza computadores especiais para mapear a localização da próstata. Na radioterapia tridimensional a aquisição das imagens de tomografia deve ser feita com o paciente imobilizado e em posição de tratamento. As imagens são transferidas a um sistema de planejamento, onde o médico delimita em todos os cortes tomográficos o volume-alvo e o volume dos órgãos de risco. No tratamento radioterápico 3D da próstata, a distribuição de dose é calculada em todo o volume irradiado. Radioterapia de Intensidade Modulada (IMRT) – Permite a conformação da radiação para o contorno da área alvo e utiliza múltiplos feixes de radiação angulares e de intensidades não uniformes, possibilitando um tratamento mais concentrado na região do tumor. A IMRT permite isolar perfeitamente a área do tumor a ser tratada, possibilitando a utilização de uma alta dose de radiação no tumor alvo, com menor efeito sobre as células sadias, além de reduzir a toxicidade do tratamento. Com esta técnica é possível avaliar a distribuição de dose em todo o volume da glândula, reduzindo as áreas de alta dose e tornando a distribuição mais homogênea. Os possíveis efeitos colaterais da radioterapia são: Problemas intestinais. Problemas na bexiga. Incontinência urinária. Impotência. Sensação de cansaço. Linfedema. Estreitamento uretral. Braquiterapia A braquiterapia utiliza pequenas sementes radioativas que são colocadas diretamente na próstata. A braquiterapia é geralmente utilizada em homens com câncer de próstata em estágio inicial. Existem dois tipos de braquiterapia da próstata: Braquiterapia Permanente (Baixa Taxa de Dose – LDR) – Nesta abordagem, as sementes do material radioativo são colocadas dentro de agulhas finas, que são inseridas através da pele na área entre o escroto e o ânus (períneo) e na próstata. As sementes são deixadas no local quando as agulhas são removidas e liberam baixas doses de radiação durante semanas ou meses. Braquiterapia Temporária (Alta Taxa de Dose– HDR) – Nesta técnica as agulhas são colocadas vazias (sem material radioativo) na próstata, e após o posicionamento são inseridas através das agulhas os cateteres com o material radioativo. Ao término do tratamento, os cateteres são removidos. Os possíveis efeitos colaterais da braquiterapia são: Problemas intestinais. Incontinência urinária. Impotência....

Leia Mais
Criocirurgia do Câncer de Próstata
Out24

Criocirurgia do Câncer de Próstata

A criocirurgia também denominada crioterapia ou crioablação é utilizada para tratar por congelamento o câncer de próstata localizado. Nesta abordagem, o médico insere várias sondas vazias através da pele entre o ânus e o escroto, guiado por ultrassom transretal. Gases frios são passados ​​através das agulhas, criando bolas de gelo que destroem a glândula da próstata. Para ter certeza que o tecido da próstata é destruído sem danos aos tecidos vizinhos, o médico acompanha as imagens pelo ultrassom. Um cateter é mantido no lugar por cerca de 3 semanas após o procedimento para permitir que a bexiga esvazie enquanto o paciente se recupera. A criocirurgia é menos invasiva do que a prostatectomia radical. Entretanto, comparando-se o procedimento com a cirurgia ou radioterapia, ainda se sabe pouco sobre a eficácia a longo prazo da criocirurgia. Efeitos Colaterais Os efeitos colaterais da criocirurgia tendem a ser piores se for realizada em homens que já fizeram radioterapia. A maioria dos homens apresenta sangue na urina durante um dia ou dois após o procedimento, bem como dor na área onde as agulhas foram colocadas. Inchaço no pênis ou escroto também é comum. O congelamento pode também afetar a bexiga e intestinos, o que pode levar à dor, sensação de queimadura, e a necessidade de esvaziar a bexiga e o intestino frequentemente, no entanto a maioria dos homens recupera a função intestinal e da bexiga ao longo do tempo. O congelamento pode danificar os nervos próximos da próstata e causar impotência em até 80% dos homens que fazem a criocirurgia. A disfunção erétil é mais comum após a criocirurgia do que após a prostatectomia radical. A incontinência urinária é rara em homens que fazem a criocirurgia como primeira opção de tratamento, mas é comum em homens que já fizeram radioterapia e posteriormente criocirurgia. Uma fístula entre o reto e a bexiga pode se formar em menos de 1% dos homens após a criocirurgia. Este problema raro, mas grave faz com que a urina vaze para o reto e, muitas vezes requer uma cirurgia de reparação....

Leia Mais
Hormonioterapia para Tratamento do Câncer de Próstata
Out24

Hormonioterapia para Tratamento do Câncer de Próstata

A terapia hormonal, também denominada de terapia de privação de andrógeno ou terapia de supressão androgênica, tem o objetivo de reduzir o nível dos hormônios masculinos (andrógenos), no corpo. Os principais andrógenos são a testosterona e a dihidrotestosterona. A terapia hormonal pode ser utilizada em várias situações: Se o paciente não pode realizar cirurgia ou radioterapia, ou se a doença não pode ser curada por estes procedimentos, pois o câncer já se disseminou além da próstata. Se o câncer não foi totalmente curado ou recidivou após a cirurgia ou radioterapia. Como complemento à radioterapia, se o paciente tem um alto risco de recidiva. Antes da cirurgia ou radioterapia para tentar reduzir o tamanho do tumor. Tipos de Terapia Hormonal Existem vários tipos de terapia hormonal para tratar o câncer da próstata:  Orquiectomia Bilateral (Castração Cirúrgica) – Embora seja um procedimento cirúrgico, seu principal efeito é hormonal. Neste procedimento são retirados os testículos, que produzem 95% dos andrógenos, a testosterona. Orquiectomia bilateral é a remoção cirúrgica de ambos os testículos. É chamado de tratamento hormonal, porque elimina a principal fonte de produção de testosterona. Terapia com análogo do LHRH (Castração Química) – Essa terapia consiste da administração de uma droga denominada agonista do receptor do hormônio liberador do hormônio luteinizante, o que leva a uma queda no nível de testosterona. Antiandrógenos – Um antiandrógeno ou antagonista de andrógeno é um composto químico capaz de bloquear ou inibir os efeitos biológicos de andrógenos nos receptores celulares que captam testosterona ou outros hormônios masculinos. Antagonista de LHRH – Este tipo de medicamento impede os testículos de produzir testosterona. Hormônios Femininos – O estrogênio pode reduzir os níveis de testosterona. Quando é administrada em comprimidos, os efeitos colaterais podem incluir problemas cardíacos e coágulos sanguíneos. Bloqueio Androgênico Combinado – Os agonistas de LHRH são utilizados ​​em combinação com drogas periféricas bloqueadoras, tais como antiandrógenos, para bloquear completamente os hormônios masculinos. Muitos médicos acreditam que esta abordagem combinada é a forma mais segura para iniciar o tratamento hormonal, pois impede um possível surto ou aumento na atividade das células cancerosas da próstata que, às vezes, acontece por causa de um aumento temporário na produção de testosterona pelos testículos. Inibidores CYP-17 – Os inibidores CYP-17 são um tipo de terapia hormonal, que impede a produção do andrógeno no organismo. Efeitos Colaterais da Terapia Hormonal Em função das alterações nos níveis de hormônios, a hormonioterapia pode causar efeitos colaterais como: Diminuição ou ausência da libido. Impotência. Ondas de calor. Sensibilidade e crescimento do tecido mamário. Osteoporose. Anemia. Diminuição da agilidade mental. Perda de massa muscular. Ganho de peso. Fadiga. Aumento do colesterol. Depressão....

Leia Mais
Página 1 de 212