Telefone para contato:

(54) 98126-4699

Novidades no Tratamento do Câncer de Pulmão de Não Pequenas Células

Muitas pesquisas sobre câncer de pulmão estão em desenvolvimento em diversos centros médicos no mundo inteiro, promovendo grandes avanços em prevenção, detecção precoce e tratamentos:

  • Prevenção

Apesar de comprovado, o cigarro ainda é o responsável por 87% dos cânceres de pulmão. Atualmente muitos pesquisadores acreditam que a prevenção é a melhor maneira de combater esse tipo de câncer. E uma das preocupações é justamente o desenvolvimento de métodos realmente eficazes no combate à dependência da nicotina. Outra preocupação é o esclarecimento aos jovens do real risco dessa dependência.

  • Dieta, Nutrição e Medicamentos

Alguns estudos sugerem que uma dieta rica em frutas e legumes pode oferecer alguma proteção, mas ainda é necessário mais investigações para confirmar isso. Por enquanto, a maioria dos pesquisadores acredita que simplesmente manter um peso saudável e comer pelo menos 5 porções de frutas e vegetais por dia pode ser a melhor estratégia.

  • Detecção Precoce

Uma abordagem recente é o uso de uma maior sensibilidade nos testes para detectar células cancerígenas em amostras de escarro. Pesquisadores descobriram recentemente várias alterações que, muitas vezes, afetam o DNA das células cancerígenas do pulmão. Com isso, os estudos atuais estão focados no desenvolvimento de novas técnicas de diagnóstico para o reconhecimento destas mudanças no DNA, e com isso obter-se um diagnóstico do câncer de pulmão num estágio inicial.

  • Diagnóstico

A broncoscopia fluorescente é uma técnica que pode ajudar os médicos a diagnosticar alguns tipos de câncer de pulmão em estágio inicial. Nesta técnica, o médico utiliza um broncoscópio com uma luz fluorescente na extremidade, ao invés da luz branca (normal). Isso permite diferenciar as áreas anormais nas vias aéreas das áreas saudáveis. Dessa forma, é possível o diagnóstico do câncer de pulmão em estágio inicial.

  • Broncoscopia Virtual

Este exame utiliza a tomografia computadorizada para criar imagens tridimensionais detalhadas das vias aéreas dos pulmões, de modo que o médico possa visualizá-las como se estivesse realmente usando um broncoscópio.

A broncoscopia virtual tem algumas vantagens em relação à broncoscopia convencional. É um método não invasivo, não requer anestesia, além de possibilitar a visualização nas vias respiratórias de locais que quando obstruídas por um tumor não podiam ser visualizada pela broncoscopia convencional. Mas, essa técnica também tem alguns inconvenientes, por exemplo, não produz alterações de cor para diferenciar áreas com problemas, e também não permite que o médico colete amostras em áreas suspeitas, como a broncoscopia convencional. Ainda assim, pode ser uma ferramenta útil em algumas situações, principalmente para pacientes que não tem condições físicas de realizar uma broncoscopia convencional.

  • Tratamento

Muitos ensaios clínicos comparam a eficácia de novas combinações de quimioterápicos e a redução de seus efeitos colaterais, especialmente em pacientes mais velhos e com outros problemas de saúde. Os médicos também estão avaliando as melhores formas de combinar a quimioterapia com a radioterapia e outros tratamentos.

Os exames de laboratório ajudam a prever se a quimioterapia será útil, por exemplo, os médicos sabem que a quimioterapia adjuvante, após a cirurgia, pode ser mais útil para alguns pacientes em estágios iniciais, mas saber quais pacientes são esses não é uma tarefa simples. Em alguns estudos os novos exames de laboratório que analisam determinados padrões dos genes nas células cancerígenas têm se mostrado promissores. Entretanto, ainda são necessários mais dados e pesquisas para confirmar sua utilidade.

Outros exames laboratoriais podem confirmar se o tratamento está respondendo a determinados quimioterápicos.

  • Terapias Alvo

Pesquisadores estão entendendo cada vez mais o funcionamento interno de células de câncer de pulmão, seu crescimento, disseminação, e empregando esses novos conhecimentos no desenvolvimento de novas terapias específicas. Alguns destes tratamentos, como bevacizumab, erlotinib, cetuximab, e crizotinib já estão sendo usados para tratar câncer de pulmão de não pequenas células.

  • Imunoterapia

Vários tipos de vacinas para aumentar a resposta imunológica do organismo contra as células de câncer de pulmão estão em fase de testes em ensaios clínicos. Ao contrário das vacinas contra infecções como, sarampo e caxumba, estas vacinas são projetadas para tratar e não prevenir o câncer de pulmão. Uma possível vantagem das vacinas é que elas parecem ter efeitos colaterais muito limitados.

Algumas vacinas são constituídas com células de câncer de pulmão cultivadas em laboratório, ou mesmo com componentes celulares, como partes de proteínas normalmente encontradas nas células cancerígenas.

Atualmente, as vacinas estão disponíveis apenas para ensaios clínicos.

CAPC

Autor: CAPC

O CAPC visa principalmente a assistência humanitária e social às pessoas com câncer e seus familiares em situação de vulnerabilidade.

Compartilhe!