Telefone para contato:

(54) 98126-4699

O que são Pólipos?

Os pólipos do cólon são pequenos tumores que crescem dentro do intestino grosso. Alguns pólipos têm forma de cogumelo e outros se parecem com verrugas.

Há vários tipos de pólipos. A maioria deles é benigno, mas um tipo, o Pólipo Adenomatoso, está associado a mudanças no DNA das células do cólon. Estas mudanças (mutações) podem progredir e provocar o câncer colorretal. Os pólipos planos são mais prováveis de se tornar cancerosos que os pólipos em forma de cogumelo, por outro lado quanto maior o pólipo, maior a chance de conter células cancerosas. Por esse motivo, os pólipos de intestino do tipo adenoma são considerados lesões pré-cancerosas e daí a importância de seu diagnóstico e tratamento precoces para evitar a evolução para um tumor maligno. Os demais tipos de pólipos do intestino têm menos importância clínica por não apresentarem potencial de malignização.

Aproximadamente 5% dos adenomas se tornam malignos. Para que um adenoma se transforme em câncer o tempo necessário pode variar entre 10 e 15 anos, por isso os exames de rotina, diagnóstico precoce e o tratamento imediato dos pólipos são tão importantes.

Os pólipos são mais comuns após os 50 anos, porém podem aparecer em idade mais precoce, especialmente se houver história de câncer colorretal na família. Cerca de 40% dos indivíduos com mais de 60 anos apresentam pólipos.

Quem já teve no passado um pólipo intestinal tipo adenoma tem uma chance muito maior que a população em geral de apresentar uma nova lesão, podendo chegar até a 50% de possibilidade. Quem já teve vários pólipos, a chance pode chegar até a 80% de desenvolver um novo pólipo.

Muitas evidências sugerem que a maioria dos tumores do intestino grosso se desenvolve a partir de pólipos benignos.

Não se sabe exatamente o que causa os pólipos, no entanto algumas pessoas possuem uma tendência genética a desenvolvê-los. Condições hereditárias como a Polipose Adenomatosa Familiar e a Síndrome de Gardner podem levar ao crescimento de centenas de pólipos no cólon e no reto. Sem tratamento adequado como a cirurgia de retirada de pólipos ou a retirada de um segmento do intestino afetado é muito provável que um desses pólipos se transforme em câncer.

Sintomas

Não existem sintomas evidentes e muitos dos pacientes não sabem que têm pólipos no intestino grosso.

Pode haver presença de sangue nas fezes quando existem pólipos maiores.

Algumas vezes o sangue nas fezes pode ser crônico e pode provocar anemia. Em algumas ocasiões pólipos muito grandes podem obstruir o intestino e mais raramente causar diarreia.

Como se faz o diagnóstico?

Realizar consultas médicas de rotina pelo menos uma vez por ano, em caso de apresentar sintomas consultar imediatamente seu médico, ele poderá fazer os seguintes exames:

  • Toque Retal – O médico irá inserir um dedo (com luva) no reto para determinar a presença de anormalidades. É um exame indicado para a detecção de pólipos retais.
  • Exame de Sangue Oculto nas Fezes – Uma amostra de fezes é examinada para detectar pequenas quantidades de sangue, em caso de ser positivo a suspeita de pólipos ou outra doença que provoque sangramento deve ser determinada.
  • Sigmoidoscopia – Um tubo fino, iluminado conectado a uma câmera de vídeo é inserido no cólon através do ânus, permitindo ao médico examinar a parte final do intestino. Pólipos pequenos podem ser removidos por essa via.
  • Colonoscopia – Um tubo mais longo e flexível que o utilizado para a sigmoidoscopia é inserido através do ânus, permitindo ao médico examinar toda a extensão do cólon. Este é o único exame que analisa todas as áreas onde o câncer pode aparecer. Pólipos pequenos também podem ser removidos por este meio.
  • Enema Opaco – Um líquido contendo um contraste (bário) é injetado no cólon pelo ânus para posteriormente realizar radiografias do intestino. Também pode ser inserido ar para dilatar o cólon e permitir uma melhor visualização.

Como prevenir?

Os pólipos são na maioria dos casos a causa do aparecimento do câncer de cólon. Algumas recomendações para diminuir a probabilidade de desenvolver pólipos incluem:

  • Alimentação rica em frutas, legumes e grãos.
  • Diminuir o consumo de alimentos com alto teor de gordura animal.
  • Prática de exercícios físicos.
  • Manter um peso saudável.
  • Não fumar. O consumo de tabaco aumenta o risco de câncer de cólon.

Como o risco de câncer de cólon aumenta com a idade, as pessoas acima dos 50 anos devem fazer exame de sangue oculto nas fezes e sigmoidoscopia flexível a cada cinco anos.

Alternativamente, o médico pode recomendar uma colonoscopia a cada 10 anos. Se o paciente tiver uma condição hereditária que predisponha ao crescimento dos pólipos do intestino grosso, ele deve começar a fazer os exames mais precocemente.

Qual é o Tratamento?

O tratamento para os pólipos consiste na retirada cirúrgica dos mesmos. Frequentemente, os pólipos podem ser removidos durante uma colonoscopia.

<–Voltar

CAPC

Autor: CAPC

O CAPC visa principalmente a assistência humanitária e social às pessoas com câncer e seus familiares em situação de vulnerabilidade.

Compartilhe!